Início / Artigos 100 Anos / 100 anos da Revolução Russa: a atualidade do legado bolchevique

100 anos da Revolução Russa: a atualidade do legado bolchevique

O ano de 2017 mal começou e já deixou claro a que veio: toda a instabilidade, guerras e misérias que marcaram o ano anterior vão se aprofundar neste que se inicia. Afinal, o pior da crise capitalista ainda está por vir, e como tal, a burguesia precisa atacar cada vez mais os direitos dos trabalhadores, destruir cada vez mais forças produtivas e reduzir a humanidade a um estado de barbárie cada vez maior. Tudo isso só pode ser feito através de muita violência.

Há exatos cem anos, o mundo também se encontrava mergulhado em uma calamidade profunda. Em 1917, os imperialistas tingiam os quatro cantos do mundo de sangue por ocasião da Primeira Guerra Mundial. Todas as grandes potências deflagravam-se por poder e território, levando os limites da crueldade e da destruição a extremos até então não conhecidos. Entre essas potências estava o gigantesco e decadente Império Russo.

Historicamente, a Rússia dos czares sempre foi um importante braço da reação. Embora tivesse sobrevivido até a era imperialista, sua sociedade continuava a ser dominada pelos resquícios de tempos passados. A aristocracia e o clero viviam cercados de um mar de camponeses analfabetos e tardiamente libertados da servidão. A burguesia era pequena e subordinada tanto à estrutura social arcaica quanto ao imperialismo estrangeiro. O proletariado estava reduzido a alguns centros urbanos, sobretudo Moscou e São Petersburgo.

Difícil imaginar condições mais avessas ao desenvolvimento de uma situação revolucionária, ainda mais uma que pudesse triunfar e chegar ao poder. Ainda assim, 1917 foi o ano da mais extraordinária vitória que a classe trabalhadora jamais logrou em qualquer tempo e lugar: a Revolução Russa. Iniciada com a Revolução de Fevereiro e completada com a Revolução de Outubro, a transformação destruiu o czarismo decrépito, expropriou a grande propriedade e construiu um estado operário baseado nos sovietes (conselhos).

As ondas de choque que partiram da Rússia a partir de 1917 alastraram-se rapidamente pelo mundo, vindo a ter um poderoso efeito na luta de classes internacional. Mesmo em países onde já se viam grandes mobilizações, como a grande greve de 1917 em São Paulo, a notícia da primeira revolução socialista vitoriosa na história viria a ter uma importância decisiva.

Como ocorre com frequência ao longo da história, grandes mudanças como a Revolução Russa são impossíveis de prever. O próprio Lenin, principal dirigente da revolução, foi pego de surpresa enquanto estava no exílio na Suíça, a ponto de empreender uma perigosa viagem de trem de volta à Rússia para organizar seus camaradas do Partido Bolchevique para os combates decisivos que viriam. Embora os mencheviques tenham dirigido a Revolução de Fevereiro, os bolcheviques, mesmo na ilegalidade, conseguiram conduzir as massas para tomar o poder em suas mãos alguns meses depois.

Apesar das condições adversas, os bolcheviques, ao contrário de tantos outros grupos “revolucionários”, souberam conquistar a confiança dos trabalhadores e constituíram-se na direção do movimento. Afinal, como a história comprovaria, somente eles possuíam o programa necessário para levar a cabo a tarefa de conduzir a revolução em direção à tomada do poder. O centralismo democrático, a firmeza no programa, a flexibilidade na tática e a presença constante nas lutas diárias ao lado dos trabalhadores: estes foram os métodos que permitiram aos bolcheviques transformarem-se na direção do movimento revolucionário.

A vitória da revolução em um país tão atrasado como a Rússia comprovou a estreiteza daqueles que defendiam que os trabalhadores dos países dominados pelo imperialismo tinham que esperar primeiro o triunfo da burguesia de seus países, para só então almejar conquistar o poder, conhecidos como etapistas. Como Trotsky explicaria no clássico “A Revolução Permanente”, a única arma que poderia libertar os povos das correntes imperialistas era a luta pelo socialismo, sendo o etapismo uma receita para a derrota.

Mais adiante, o stalinismo, fruto do isolamento e burocratização do estado operário surgido em Outubro, viria a afirmar este e muitos equívocos teóricos. A partir da morte de Lenin e a ascensão de Stalin, Moscou se transformaria num dos centros da contrarrevolução internacional, fazendo todo o possível para influenciar a esquerda internacional e distanciá-la das melhores tradições revolucionárias criadas pelos bolcheviques.

Nos dias de hoje a conjuntura é sem dúvida distinta da de 1917. O capitalismo está em um estágio ainda mais avançado de decomposição, arrastando a humanidade cada vez mais em direção ao abismo da barbárie. Em grande parte devido ao legado do stalinismo, o reformismo e o sectarismo tornaram-se grandes obstáculos no caminho das mudanças. Mas os marxistas se mantêm conscientes de que, assim como no passado, a única bandeira que pode libertar os trabalhadores de todo o mundo é a do socialismo. Para isso é preciso firmeza nas tradições e métodos criados pelos bolcheviques, pois estes são ainda mais válidos hoje do que eram no passado.

Deixe seu comentário

Leia também...

Espártaco: um verdadeiro representante do proletariado da Antiguidade

No primeiro século antes de Cristo, um escravo chamado Espártaco ameaçou o poderio de Roma. …